domingo, 13 de maio de 2007

Queridinha


Essa é uma poesia muito importante para mim.


Segura o Vento

Você anda por uma rua
Chega o vento, de repente
Você se abriga, espera ele passar
Agora, tenta segurar o vento
Tenta...
É impossível fazê-lo parar

Você pega a cola do sapateiro
Que tudo cola, tudo pode colar
Agora, tenta colar a sua alma
Que se despedaça sem pedaço
Impossível remendar

Você usa binóculos de vidro
Que prometem fazê-lo enxergar
Mas tenta observar o vácuo
Verá que é cego
Que se engana em muito
Sua máscara é de pele
Sua visão , nunca concêntrica
Sua vida é em muito egocêntrica
Tudo que tem é quebradiço
Seu corpo é quebradiço

Você se sente imortal
Acha que pode controlar a morte
Você acha que é forte
Mas tenta mudar o sentido de um rio
Tenta levantar a água com as mãos
Segura o vento
Desvia a sua direção
Impotência, subjugação

Você se desfaz
Na tentativa de virar fumaça
Mas a fumaça passa
Tenta ir à lua
A lua nunca é de graça
Quer desvendar o mistério da vida
Decifra primeiro a sua mente
Ou pelo menos tenta
Vai até o fundo do mistério
Se sentirá impotente

Acha que nada o atinge
Se sente frio, gelado
Mas chega perto da chama de um vulcão
e será queimado

Abre os braços diante da vida
Fecha os olhos
Não pergunta nada
Senta na areia, no lixo, na mata
Não importa
Eleva a sua alma

Segura seus tormentos
Isso sim você controla
Regula sua cobrança
Segue perdido convicto
Nessa eterna buscança
Que cansa

E sofre
Sofre porque tudo faz parte do desafio
O desafio de ser grande
Ou pequeno, tanto faz
Esse é o desafio:
descansar de só querer mais

Não segura o vento
Deixa ele passar em paz.

2 comentários:

Lucas disse...

Muito bonita essa Cris!
Daqui a pouco te ajudo a publicar um livro, rsrs!

Abç

Becarol disse...

Essa eu já conhecia!!
Linda!
Tô curiosa pra saber quem é a fonte de inspiração da penúltima poesia...
muitas saudades...
beeeeijos!