sábado, 28 de abril de 2007

Momentos


Momentos Difíceis

Pensamentos perturbadores
Viram momentos duradouros
Parecem profecias inatacáveis
De que o que está sempre será
Momentos
Mudam sem prévio aviso
Leves rasteiras no estável
Maldições perpetuadas no juízo
Tormentos
Como tudo na vida, passageiros
Mas se fazem indesejados hóspedes
Que viram donos da casa
Roubam a cama, a mesa
Desfazem o alegre que sempre ria
Tremendo
De medo do nunca passar
Mas como disse
Momentos
Eternos na alma
Indefesos contra o tempo
Insistentes e dominantes
Curvam-se aos dias
Momentos que estão
Não são, não vão
Momentos de histeria
Também não são em vão
Transformam-se em sabedoria
Pequenos pedaços eternos
Não te aflijas
São momentos
Não são de eterna estadia

2 comentários:

Becarol disse...

Amo Dalí!

Amo Cris!

Lucas disse...

Vou postar nesse aqui exatamente pelo mesmo motivo da "becarol", esse quadro do relogio e o fabuloso poema, aiai...
Bjs